Joaquim Tenreiro: Mobiliário moderno artesanal

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marcia Campos Bleich

Resumo

Nascido em Portugal, Joaquim de Albuquerque Tenreiro, mudou-se definitivamente para o Brasil, no ano de 1928, após passar duas temporadas em terras brasileiras. De sua família herdou a profissão de marceneiro que, ligada à sua grande paixão pelas artes plásticas, possibilitou transformar seus móveis em peças diferenciadas, esculturas em marcenaria, palha e couro. Tenreiro estudou as madeiras brasileiras e introduziu no cenário nacional móveis esteticamente modernos, representados por peças dignas das mais importantes escolas de design da Europa. Em sua juventude, desejava ser arquiteto. Não teve a chance de se dedicar à formação acadêmica, mas, é reconhecido como um dos criadores do mobiliário moderno brasileiro. Embora distante dos movimentos de arquitetura e design do início do século XX, ele criou um mobiliário moderno, de formas limpas, em total sintonia com as ideias defendidas pelas escolas de arte que tiveram início na Europa no período entre guerras, principalmente a escola de Arte, design e arquitetura da República de Weimar, denominada Bauhaus. Tenreiro teve importante contribuição na criação do mobiliário brasileiro e, embora sua obra seja sempre estudada e apresentada como moderna, sua defesa do trabalho artesanal se apresenta como uma contradição pois, na visão dos idealizadores do modernismo europeu, os designers deveriam estar preparados para criar peças que seriam desenvolvidas em série e não de forma artesanal.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BLEICH, Marcia Campos. Joaquim Tenreiro: Mobiliário moderno artesanal. Jangada: crítica, literatura, artes, [S.l.], n. 8, p. 138-156, fev. 2017. ISSN 2317-4722. Disponível em: <http://www.brazilianstudies.com/ojs/index.php/jangada/article/view/113>. Acesso em: 21 ago. 2017.
Seção
Artigos

Referências

Cals, S. (2000). Tenreiro. Rio de Janeiro: Bolsa de Arte.
Cavalcanti, L. (2001). Quando o Brasil era Moderno - Guia de Arquitetura 1928-1960. Rio de Janeiro: Aeroplano.
COSTA, L. (1939). Notas sobre a evolução do mobiliário brasileiro. Revista do serviço do patrimônio histórico e artístico nacional, 149-162.
FREYRE, G. (2002). Sobrados e Mucambos. Rio de Janeiro : Record.
GROPIUS, W. (1988). Bauhaus: novarquitetura. São Paulo: Perspectiva.
http://www.asminasgerais.com.br. (23 de 04 de 2016). Fonte: Estação das Minas Gerais: http://www.asminasgerais.com.br/zona%20da%20mata/uniVlerCidades/modernismo/Arquitetura/index.htm
http://www.james-paris.com. (26 de 04 de 2016). Fonte: James: http://www.james-paris.com/new-page-2-2/
https://legadoarte.wordpress.com. (20 de março de 2016). Fonte: Legado Arte: https://legadoarte.wordpress.com/category/joaquim-tenreiro/page/2/
Jencks, C. (1985). Movimentos Modernos em Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes.
Kopp, A. (1990). Quando o moderno não era um estilo e sim uma causa. São Paulo: Nobel.
Me l l o, F. A. (2014). Cataguases e suas modern i dades. Brasilia.
MMM, A., & Macedo, R. d. (Janeiro de 1985). Madeira Arte e Design. Rio de Janeiro: Galeria de Arte do Centro Empresarial Rio.
Pevsner, N. (1980). Os pioneiros do design moderno de William Morris a Walter Gropius. São Paulo: Martins Fontes.
SANTOS, M. C. (1995). Móvel Moderno no Brasil. São Paulo: Studio Nobel.
Tenreiro, J. (1955). Sobriedade, distinção e acolhimento. Módulo Brasil Arquitetura, 58-61.
TENREIRO, J. (1967). O desenho do móvel. Revista Arquitetura nº61.