A Literatura como desvio

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marcos Vinícius Almeida http://orcid.org/0000-0003-3663-6396

Resumo

O presente ensaio retoma o problema clássico da mimese a partir da leitura do primeiro capítulo de São Bernardo, de Graciliano Ramos. O entendimento é que esse conceito, desde Platão e Aristóteles, apesar de uma visão distinta, não se refere a uma cópia idêntica de uma determinada essência ou objeto. Há, desde sempre, um desvio no processo mimético. E é justamente esse desvio a característica fundamental do texto literário.


Palavras-chave: Mimese, Platão, Aristóteles, Literatura.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ALMEIDA, Marcos Vinícius. A Literatura como desvio. Jangada: crítica, literatura, artes, [S.l.], n. 8, p. 190-197, fev. 2017. ISSN 2317-4722. Disponível em: <http://www.brazilianstudies.com/ojs/index.php/jangada/article/view/111>. Acesso em: 17 dez. 2017.
Seção
Artigos

Referências

ARISTÓTELES, Poética. Tradução de Eudoro de Souza. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1984.
GAGNEBIN, J.M. Do conceito de mimesis no pensamento de Adorno e Benjamin. Perspectivas, São Paulo, nº16, 1993. p. 67-86.
LIMA, Luiz Costa. Deslocamentos da mimesis, Parte I, In: Vida e mimesis. São Paulo: Ed. 34, 1995. p. 63-83.
PLATÃO, A República. Tradução: Ingrid Cruz de Souza Neves. Brasília: Editora Kiron, 2012. Edição Kindle.
RAMOS, Graciliano. São Bernardo, 83ª Edição. Rio de Janeiro: Record, 2006